Abster-se do prazer e da dor – parte I

Sempre Schlink, parece até que virou uma ideia fixa… Só ele mesmo para dizer várias coisas que eu precisava refletir, em um único livro. 

“Então desisti novamente de contar as coisas. Não é preciso contar, porque a verdade do que se conta está no modo como se é.”

Pensar sobre isso me fez perceber que aquele conceito de que as pessoas são complicadas (leia-se: eu sou complicada), na verdade, não tem fundamento. Não somos complicados, mas um resultado de diferentes experiências. Sim, o outro faz parte de nossas vidas por um tempo e deixa marcas “Se de tudo fica um pouco, mas por que não ficaria um pouco de mim?”, como diz o sábio Drummond em “Resíduos”.

Podemos, simplesmente, ignorar essa complexidade (e não complicação) nossa e dos outros, como diria um velho (des)conhecido: “sublimar” tudo. Podemos também ter o atrevimento e a presunção de desvendar essa complexidade e depois não saber o que fazer com ela (síndrome de Madre Tereza de Calcutá), logo que as pessoas não são peças de LEGO, para serem remontadas a nosso bel prazer. Podemos ainda optar por ver tudo da “janelinha” da vida, ou seja, abster-se do prazer de descobrir e sentir certas situações complexas, com a vantagem (?) de também não sofrer em decorrência delas.

Ter um visão contábil do prazer e da dor não ajuda em nada, eu sei. Porém, impossível não contabilizar o tempo de prazer e a eternidade de dor (isso mesmo, pois ela sempre advém!), de boa parte das situações de nossas vidas.

Pesquisando sobre esse tema, deparei-me com um princípio de São Tomás de Aquino que diz que a razão por si só, tem por princípio a sua interrupção, de vez em quando, por meio do prazer. Sendo assim, o prazer é o princípio para o alimento da razão, quando esta volta a atuar… Bom, quem sou eu para discutir sobre esse princípio, porém será que o desejo está na categoria desse prazer que interrompe e abastece a razão? Se estiver, então encontros casuais, momentos de “fazer bem” e viver o “agora” estão liberados, logo que proporcionam o retorno à razão? Ou são simplesmente justificativas vazias para dar vazão ao instinto e ao desejo, sem medir consequências? Esses momentos de interrupção então não consideram a complexidade dos seres envolvidos, é isso?

Também penso no desperdício de se abster do prazer e da dor, logo que existem tantas outras pessoas, com impedimentos biológicos que não conseguem sentir nada. No primeiro caso seria uma opção (fuga/resistência/máscara ou o nome que quiser dar… :)); no segundo, uma contingência que causa outro tipo de dor: a dor de não sentir dor, nem nada. Mesmo de longe, pude ver um pouco de um caso assim e dizer que não é nada fácil, é muito pouco.

Todos os manuais de autoajuda ou mensagens de otimismo da internet (principalmente nesse período de espírito de Natal e promessas para o novo ano) caem no seguinte lugar-comum: “Viva a vida intensamente! Ame, viva e seja feliz! Melhor amar e sofrer, a nunca ter amado verdadeiramente! Entregue-se, jogue-se no amor, etc”. Bom, nem preciso continuar, para que entendam do que eu estou falando.

Muitas perguntas e nenhuma resposta. Reflexo de um dilema que não deveria ter sido instaurado. O que é do dever frente ao querer/desejar? O querer mostra-se sempre muito independente, quando ele precisa ficar quietinho num canto, até se acalmar e sumir. Estranho isso, porque o dever deveria sempre ser o mais forte (ou não? :)).  

Qual a sua opinião sobre isso, caríssimo leitor? Abster-se do prazer e da dor é o caminho para ver a vida pela “janelinha” e não sofrer mais, e sempre, e tanto?

Anúncios

5 comentários

  1. O desejo é a causa de tudo!
    Podemos suportar a dor, porém o desejo é incontrolável. Chega uma hora em que somos tentados e lá estamos mais uma vez cedendo aos nossos desejos.
    “Assistir a vida pela janelinha” não é a melhor escolha (pelo menos no meu ponto de vista). Ainda acredito nas possibilidades. A neutralidade de não tentar nos impede de sentirmos um prazer esplêndido e ou uma dor terrível. Prefiro acreditar que serei feliz enquanto o prazer durar ou que serei forte o bastante para suportar a dor.

    • QUERIDA ÉRIKA…. HÁ UM PONTO QUE NÃO FOI PENSADO NESTE LINDO TEXTO QUE TOCOU MEU CORAÇÃO DE UMA FORMA MUITO ESPECIAL.
      COMO A VIDA É UM PRESENTE ,ACREDITO QUE É NOSSO DEVER….DESEJAR, AMAR, VIVER INTENSAMENTE, SER FELIZ, GOZAR E BEIJAR.
      ACREDITAR QUE AQUILO QUE FAZ NOSSO CORAÇÃO BATER MAIS FORTE, E O PEITO FICAR APERTADO ESPERANDO A POSSIBILIDADE DE UMA SIMPLES TROCA DE OLHAR, OU UM ABRAÇO APERTADO PRA SENTIR O CHEIRO QUE DESPERTA FORTES SENSAÇÕES NO SEU CORPO NÃO TENHA QUE SER UMA ESCOLHA E SIM UM DIREITO.
      TEMOS O DIREITO E DEVEMOS BUSCAR A FELICIDADE POIS, A VIDA É MUITO CURTA E , É MUITO MELHOR BRINCAR NA RUA, ARRANHAR O JOELHO, CAIR , RIR, CHORAR, SE DIVERTIR VIVENDO.
      GUARDAR ESSAS RECORDAÇÕES É MUITO MAIS GRATIFICANTE DO QUE VIVER MISERAVELMENTE OLHANDO A VIDA PASSAR ATRAVÉS DA JANELA.
      BJS
      PATRÍCIA SUA MAIS NOVA FÃ E AMIGA DA ESCOLA…

      • Oi Patrícia! Tudo bem?
        Concordo com tudo isso, MESMO! Creio que a disposição de levantar sempre seja a maior questão a ser desenvolvida… Mas, cansa só levantar, recomeçar… Parece que se perde mais tempo nisso, do que desfrutando momentos de prazer.
        Demorou 1 semestre, mas agora estou feliz por conhecê-la!
        Muitos beijos,

    • Oi Tarci, tudo bem?
      Feliz enquanto o prazer durar e forte para suportar a dor? Maravilhoso isso que você disse! O problema é que normalmente não suportamos a dor, mas sim a pioramos com o inconformismo (no mínimo).
      O que você pensa sobre isso?
      Beijo grande,
      Érika

  2. Olá, 🙂

    Lendo a opinião de vocês me deixa com um conceito maior de que na verdade ja devemos entrar em um relacionamento com o pensamento de que a dor pode vir a acontecer a qualquer momento, claro que não desejamos e nem queremos isso á nossas vidas mas é uma realidade em que teremos infelizmente de enfrentar!!

    Não sou experiente, porém sei que em geral não podemos ficar “em cima do muro” e não vivenciar uma certa coisa prazerosa… Ou não!! E ja mencionado ‘mais ou menos’ assim em um dos seus posts Flor, não deveriamos julgar a dor ou o inevitável de algo, pois estamos sendo ou estão nos fazendo felizes enquanto estamos vivenciando…

    Bom nem todos somos fortes ao ponto de controlar os desejos, e temos sim o direito de vivenciar todos os nossos sentimentos incluindo ele sim… O tão temido desejo e sem saber se é a hora certa ou não ele sempre acaba aparecendo. Como também nem tudo são mares de rosas e ai é que aparece a absorção da dor. Sem ao menos esperarmos, ele acaba chegando na hora errada, mas sabemos também que somos fortes e que não devemos não nos contentar com o que acabou acontecendo por um erro de nossa consciência 😦

    NÃO FIQUE COM MEDO DE SE COMPLETAR E VIVENCIAR ALGO MARAVILHOSO, POR CAUSA DE UMA DOR DO PASSADO ;D VÁ EM FRENTE!!

    Fique com Deus Flor,
    Beijos LeH *-*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s