160/365 Esvaziando a mochila

Em uma das meditações que fiz este ano, a professora usou uma metáfora muito interessante: disse que para conseguirmos meditar precisávamos esvaziar a mochila. Durante a meditação foi esse o exercício, o de esvaziar a mochila da nossa mente, para conseguir sentir o alívio do desacelerar os pensamentos e, quem sabe, arejar o espaço para novas ideias dali em diante.

Hoje eu terminei de esvaziar a mochila, não porque tenha parado para meditar, mas porque nesses últimos três dias, consegui expressar profissionalmente toda a minha insatisfação e todos os abusos que têm ocorrido. Esvaziei a mochila de tudo o que me incomodava e não voltarei a enchê-la com a esperança de que a justiça será feita, de que a situação vá melhorar ou que não ocorrerão retaliações até o final do ano. No hope.

De verdade, não tenho a ilusão de que nada disso aconteça, creio mesmo que acabei de dar um passo para o meu novo destino. O que importa, no entanto, é que esvaziei minha mochila que estava ocupada com essas pessoas que não valem um pensamento e não quero fazer com que elas voltem para lá. Na verdade, agora não tenho nem mais vontade de falar nelas nem do despotismo com que elas agem. Esvaziei e mandei pro lixo.

E, eu sinto minha alma mais leve, mais arejada. Desse estado para mudar de vida é um pulo e eu espero dá-lo logo. Mesmo com todo o estresse, sinto hoje se encerrou um ciclo e isso é motivo para agradecer.

Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s